JESUS TRANSFORMA ÁGUA EM VINHO

Na verdade, queremos sempre buscar um “santo” álibi para justificarmos nossos vícios. Acredito que o vinho daquela época não tinha o teor alcoólico da nossa época. Tanto que as festas judaicas duravam dias. Se fosse regada com bebida de alto teor alcoólico, os convidados não aguentariam dias bebendo. E, talvez, Jesus tenha aproveitado o número de pessoas que ali estavam para iniciar seu apostolado, mostrando seus poderes, revelando o imenso potencial que ali se iniciava, chamando a atenção para Ele, ou melhor, para os ensinamentos que Ele trazia. Precisamos lembrar que Jesus não veio mudar as pessoas de uma hora para outra. Seu ensinamento foi e sempre será: “TUDO NOS É LÍCITO, MAS NEM TUDO NOS CONVÉM.” O livre arbítrio impera em Seu apostolado. E pode ser também uma passagem simbólica mostrando que o “vinho bom” (vinho da alegria, do respeito, da cordialidade) servido nos primeiros anos de casado não deve ser trocado depois de algum tempo de convívio pelo “vinho ruim” (vinho da indiferença, do desrespeito, da tristeza). E a transformação da água em vinho é um fenômeno possível, pois uma ação fluídica, como o passe magnético, pode mudar as propriedades da água, transformando em remédio e, também, dando-lhe o sabor e cor do vinho. É o que chamamos de efeitos físicos. Jesus, sendo um Espírito elevado com energias sublimes, poderia ter produzido tal efeito. Então, usemos sempre nosso bom senso. Afinal, sabemos os danos que a bebida alcoólica causa em nosso corpo físico e o que sua alteração traz em nossa vida e sociedade através de desavenças, brigas, mortes, separações, violência, etc. Como disse Joanna de Ângelis no livro “Dias Gloriosos”: “Todo corpo físico merece respeito e cuidados, carinho e zelo contínuos, por ser a sede do Espírito, o santuário da vida em desenvolvimento.” Quando desencarnamos por danificar o corpo físico com bebida somos vistos, pela lei divina, como suicidas. Sem contar o assédio de obsessores. Portanto, o cristão não deveria compactuar com a indústria que mata mais gente e destrói mais lares do que uma guerra. Sigamos o conselho do apóstolo Paulo: “NÃO SEJAM INSENSATOS; AO CONTRÁRIO, PROCUREM COMPREENDER A VONTADE DO SENHOR. NÃO SE EMBRIAGUEM, QUE LEVA PARA A LIBERTINAGEM, MAS BUSQUEM A PLENITUDE DO ESPÍRITO.” (Efésios 5:18)
(Pergunta de um anônimo que escreveu para o Grupo de Estudo Allan Kardec